O paradoxo do Domingo de Ramos permite-nos viver por o triunfo e a paixão de Cristo, coma narrativa da sua entrada em Jerusalém e narração do evangelho da Paixão. Contemplamos surpreendidos a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém. Com efeito, estamos face ao entusiasmo que caracteriza tantas vezes as multidões…