Fonte da história local

A imprensa local é fonte importante da história da sua região. Ela relata e regista os principais acontecimentos que marcam a sociedade, mas também as mentalidades, convicções, circunstâncias da vida, valores e falta deles, cultura, economia, desporto, divertimentos, religião… com que se tece a vida das pessoas, das famílias e da coletividade. Oferece sucessivos retratos dos diferentes períodos de tempo e deixa-os às gerações futuras. É por isso uma notável fonte de documentação para a memória futura e para a história.
Não pode, todavia, ser considerado o único testemunho para fazer a história local. Quem se empenha na sua investigação e escrita tem que buscar outros documentos e testemunhos para compreender e fazer compreender o percurso de uma sociedade. A imprensa não abarca tudo e é plural nas suas visões e vozes. Cada título apresenta os acontecimentos e opiniões segundo o seu quadro de valores e de princípios, pelo que, com frequência, não são concordes nas leituras publicadas. É preciso comparar dados e buscar outros para interpretar corretamente a realidade.
A imprensa não é somente observador, repórter, intérprete e comunicador dos acontecimentos. Ela é também fomentadora e produtora de factos. O Jornal “O Mensageiro” é um exemplo típico: nasceu para promover a restauração da Diocese de Leiria e conseguiu-o, quatro anos depois. Seguramente, as demais publicações teriam também os seus casos para contar. A imprensa difunde notícias dos acontecimentos, mas também fomenta a mobilização das pessoas em certas causas. Contribui assim para transformar a realidade e as mentalidades. Neste sentido, é fator de desenvolvimento e produtor de cultura local.
O “Presente” está a fazer memória do percurso da Diocese de Leiria-Fátima nos últimos cem anos, desde a sua restauração, em 1917. Iremos dar a conhecer figuras marcantes bem como factos e testemunhos que teceram e construíram a vida e a ação pastoral da Igreja diocesana. A imprensa local é fonte e testemunha imprescindível desta história. Honramo-la, bebendo e dando a todos a água que dela brota.

24 Outubro, 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *