Cuidados integrais na doença

A celebração do Dia mundial do Doente põe em evidência “o serviço da Igreja aos doentes e a quantos cuidam deles”, aviva a consciência de que a dimensão espiritual é imprescindível para suportar e superar a doença e de que todos têm a graça e a responsabilidade de ajudar quem sofre. A doença, no corpo ou na alma, afeta e envolve-nos a todos. O doente deve tornar-se o centro dos serviços e das pessoas que dele cuidam e ser tratado como sujeito cooperante e não simplesmente como objeto passivo. Se está em condições para tal, há de ser devidamente informado da sua situação e dos tratamentos. Obter a sua aceitação, compreensão e colaboração é muito importante para o êxito dos cuidados. Para recuperar a saúde ou viver dignamente a doença, não basta cuidar do corpo, é preciso igualmente prestar atenção à alma e buscar nela recursos para viver com sentido e esperança a própria situação. É preciso por isso cuidar também da dimensão espiritual. É no seu espírito, na sua interioridade, e, para quem vive a fé cristã, na relação pessoal e comunitária com Deus, que a pessoa encontra sentido e ajuda para viver a doença e colaborar no tratamento. A meditação, a oração, a prática sacramental da Igreja, a escuta com empatia e a palavra oportuna são meios importantes de apoio espiritual. Tenho conhecido pessoas que vivem penosas doenças com ânimo e espírito admiráveis, com apoio da fé e da esperança. Gostam de viver e lutam pela cura, mas não temem a morte, pois confiam que vão para Deus. Prestar cuidados espirituais não é só trabalho de sacerdotes e de pessoas que deles se ocupam. Sem confusão com o seu trabalho, também os profissionais de saúde podem por vezes exercer algum cuidado espiritual, que enriquece a sua competência e se torna uma mais valia no tratamento e bem-estar do doente. Na doença ou no cuidado dos enfermos, o cristão confia na proximidade de Jesus e procura imitá-lo tendo “o mesmo olhar rico de ternura e compaixão do seu Senhor”, como escreveu o Papa Francisco na mensagem do Dia mundial do Doente.

6 Fevereiro, 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *