O Bom Pastor não espera nada em troca

No quarto Domingo da Páscoa, meditamos sempre um excerto do discurso de Jesus em que Ele se assume como o Bom Pastor.

Esta imagem do Pastor e das ovelhas pode-se prestar a interpretações que nada têm a ver com a intenção com que Jesus a propõe. Ao longo da história, ela foi inclusive usada para defender e justificar atitudes, comportamentos e, até, regimes políticos anti-evangélicos.

(Esta é apenas uma parte do artigo; o conteúdo integral está acessível a subscritores)

Acesso reservado a subscritores

O conteúdo integral deste artigo é apenas acessível a subscritores.

Se já subscreveu o PRESENTE DIGITAL, deve iniciar sessão (fazer “login”):
Se não é subscritor, pode sê-lo carregando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *