Cortar a meta, juntos e de mãos dadas

Domingo de Páscoa – Ano A

A ressurreição não é apenas um regresso à vida, mas a entrada numa outra forma de vida. Quem atesta, prova e ratifica a ressurreição do Senhor não é o cadáver a sair do sepulcro, a aparição dos anjos, o tremor de terra ou o testemunho das mulheres que O viram, mas Cristo, que atua, vivo, em nós.

A ressurreição, como o juízo, não acontece no final da nossa passagem pela terra, mas no imediato: é contínua. A vida cristã é uma aprendizagem, feita de mortes e de ressurreições. Há dois sinais que demonstram a ressurreição: aperceber-se de que se está morto, quando se não possui esperança nem se ama ninguém; e saber que a vida eterna é uma realidade que nos enche de felicidade.

(Esta é apenas uma parte do artigo; o conteúdo integral está acessível a subscritores)

Acesso reservado a subscritores

O conteúdo integral deste artigo é apenas acessível a subscritores.

Se já subscreveu o PRESENTE DIGITAL, deve iniciar sessão (fazer “login”):
Se não é subscritor, pode sê-lo carregando aqui.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *