A Fragilidade e a Esperança

Com a Solenidade de Pentecostes, deixámos o festivo Tempo Pascal e regressámos ao Tempo Comum. Habitualmente, tendemos a desvalorizar ou, pelo menos, a não apreciar tanto os tempos ditos normais. No entanto, é no Tempo Comum que o Senhor mais nos surpreende e rasga alguns preconceitos, que nos impedem de apreciar o Seu continuado agir, na nossa vida de cada dia.

(Esta é apenas uma parte do artigo; o conteúdo integral está acessível a subscritores)

Acesso reservado a subscritores

O conteúdo integral deste artigo é apenas acessível a subscritores.

Se já subscreveu o PRESENTE DIGITAL, deve iniciar sessão (fazer “login”):
Se não é subscritor, pode sê-lo carregando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *